Livro de Juízes



Autor: O Livro de Juízes não revela especificamente o nome do seu autor. A tradição é que o profeta Samuel foi o autor de Juízes. Evidência interna indica que o autor viveu logo após o período dos juízes. Samuel se encaixa nessa qualificação.

Quando foi escrito: O livro de Juízes foi provavelmente escrito entre 1045 e 1000 AC.

Propósito: O livro de Juízes pode ser dividido em duas seções: 1) Capítulos 1-16 narram as guerras de libertação que começam com a derrota dos cananeus e terminam com a derrota dos filisteus e a morte de Sansão; 2) Capítulos 17-21 são conhecidos como um apêndice e não se referem aos capítulos anteriores. Esses capítulos são enxergados como um tempo quando “não havia rei em Israel” (Juízes 17:6; 18:1, 19:1, 21:25). O Livro de Rute era originalmente uma parte do Livro dos Juízes, mas em 450 DC foi removido para tornar-se um livro próprio.

Versículos-chave: Juízes 2:16-19: “Suscitou o SENHOR juízes, que os livraram da mão dos que os pilharam. Contudo, não obedeceram aos seus juízes; antes, se prostituíram após outros deuses e os adoraram. Depressa se desviaram do caminho por onde andaram seus pais na obediência dos mandamentos do SENHOR; e não fizeram como eles. Quando o SENHOR lhes suscitava juízes, o SENHOR era com o juiz e os livrava da mão dos seus inimigos, todos os dias daquele juiz; porquanto o SENHOR se compadecia deles ante os seus gemidos, por causa dos que os apertavam e oprimiam. Sucedia, porém, que, falecendo o juiz, reincidiam e se tornavam piores do que seus pais, seguindo após outros deuses, servindo-os e adorando-os eles; nada deixavam das suas obras, nem da obstinação dos seus caminhos.”

Juízes 10:15: “Mas os filhos de Israel disseram ao SENHOR: Temos pecado; faze-nos tudo quanto te parecer bem; porém livra-nos ainda esta vez, te rogamos.”

Juízes 21:25: “Naqueles dias, não havia rei em Israel; cada um fazia o que achava mais reto.”

Resumo: O livro de Juízes é um relato trágico de como Yahweh [Deus] foi “tido como certo” pelos Seus filhos ano após ano, século após século. Juízes é um triste contraste do livro de Josué, pois Josué narra as bênçãos que Deus concedeu aos israelitas pela sua obediência a Deus na conquista da terra. Em Juízes os israelitas foram desobedientes e idólatras, o que causou suas muitas derrotas. Contudo, Deus nunca deixou de abrir os Seus braços de amor ao Seu povo sempre que se arrependeram dos seus maus caminhos e invocaram o Seu nome (Juízes 2:18). Através dos 15 juízes de Israel, Deus honrou a Sua promessa a Abraão de proteger e abençoar a sua descendência (Gênesis 12:2-3).

Após a morte de Josué e seus contemporâneos, os israelitas voltaram a servir a Baal e Astarote. Deus permitiu que os israelitas sofressem as consequências de adorar a falsos deuses. Foi então que o povo de Deus clamou a Yahweh por ajuda. Deus enviou juízes aos Seus filhos para guiá-los em uma vida justa. Entretanto, eles repetidamente continuavam a virar as costas para Deus e a voltar-se às suas vidas perversas. No entanto, para manter a Sua parte da aliança com Abraão, Deus sempre salvou o Seu povo de seus opressores durante todo o período de 480 anos do Livro de Juízes.

Provavelmente o juiz mais notável foi o 12º juiz, Sansão, o qual chegou a liderar os israelitas após um cativeiro de 40 anos sob o domínio dos filisteus cruéis. Sansão liderou o povo de Deus à vitória sobre os filisteus, onde perdeu sua própria vida depois de 20 anos como juiz de Israel.

Prenúncios: O anúncio para a mãe de Sansão de que ela teria um filho para liderar Israel é um prenúncio do anúncio à Maria sobre o nascimento do Messias. Deus enviou o Seu Anjo a ambas mulheres e lhes disse: “Eis que tu conceberás e darás à luz um filho” (Juízes 13:7, Lucas 1:31) que conduziria o povo de Deus.

A libertação compassiva de Deus do Seu povo, apesar dos seus pecados e rejeição dEle, apresenta um retrato de Cristo na cruz. Jesus morreu para libertar o Seu povo - todos aqueles que chegariam a crer nEle - dos seus pecados. Embora a maioria das pessoas que seguiam a Jesus durante o Seu ministério iriam eventualmente cair e rejeitá-Lo, ainda assim Ele permaneceu fiel à sua promessa e foi para a cruz para morrer por nós.

Aplicação Prática: A desobediência sempre traz julgamento. Os israelitas apresentam um perfeito exemplo do que não devemos fazer. Em vez de aprender com essa experiência de que Deus sempre vai punir a rebelião contra Ele, eles continuaram a desobedecer e sofrer com o desgosto e a disciplina de Deus. Se continuarmos na desobediência, nós convidamos a disciplina de Deus, não porque o Senhor se regozija em sofrimento, mas porque “o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho a quem recebe” (Hebreus 12:6).

O Livro de Juízes é um testemunho da fidelidade de Deus. Mesmo “se somos infiéis, ele permanece fiel” (2 Timóteo 2:13). Embora possamos ser infiéis a Ele, como os israelitas foram, ainda assim Ele é fiel para nos salvar e preservar (1 Tessalonicenses 5:24) e para nos perdoar quando buscamos o perdão (1 João 1:9). “... o qual também vos confirmará até ao fim, para serdes irrepreensíveis no Dia de nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados à comunhão de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor” (1 Coríntios 1:8-9).


Voltar à página principal em português

Livro de Juízes