Eu sou um mórmon. Por que devo pensar em me tornar um cristão?



Pergunta: "Eu sou um mórmon. Por que devo pensar em me tornar um cristão?"

Resposta:
Se assumirmos que a Bíblia é a Palavra de Deus (tanto Joseph Smith quanto Brigham Young acreditavam nisso), então o exame das crenças fundamentais do Mormonismo e dos Santos dos Últimos Dias (se essas crenças forem confiáveis) deve mostrar que são coerentes com o que a Bíblia ensina. Qualquer pessoa de qualquer religião - ou de nenhuma religião - que perguntar: "Por que devo pensar em me tornar um cristão?" deve considerar as reivindicações do Cristianismo. Como um mórmon fazendo esta pergunta, considerar a diferença entre os princípios do Cristianismo bíblico e da filosofia dos Santos dos Últimos Dias deve ser a principal área de investigação. Portanto, vamos examinar quatro áreas de divergência entre eles.

1) O Mormonismo ensina a dependência em fontes extrabíblicas. A Bíblia ensina que é suficiente na instrução para toda a vida cristã (2 Timóteo 3:16), e Deus pronunciou uma maldição especificamente sobre quem dissesse ter autoridade para acrescentar ao que Ele havia revelado na Bíblia. Em outras palavras, Deus pronunciou que a Sua revelação escrita era completa (Apocalipse 22:18-19). Portanto, não há razão para que Deus escreva mais. Um Deus que escreve Suas Escrituras, diz que é completa, e depois percebe que esqueceu algo ou não planejou o futuro ou não sabia o suficiente para escrever tudo da primeira vez. Tal Deus não é o Deus da Bíblia. No entanto, o Mormonismo ensina que a Bíblia é apenas uma de quatro fontes; as outras três sendo o Livro de Mórmon, Doutrina e Convênios e A Pérola de Grande Valor. Estas três vieram de um único homem que declarou que elas são inspiradas por Deus apesar de serem contrárias ao primeiro e único verdadeiramente inspirado texto. Deus declarou que Sua revelação escrita para a humanidade estava completa quando terminou o texto bíblico. Adicionar material à Escritura e chamá-lo de inspiração é contradizer Deus.

2) O Mormonismo promove um deus inferior e ensina que Deus nem sempre foi o Ser Supremo do universo, mas atingiu essa posição através de uma vida justa. No entanto, quem determina o que é justo? Esse padrão só pode vir de Deus. Assim, o ensino de que Deus se tornou Deus ao satisfazer um padrão predeterminado proveniente de Deus é uma contradição. Além disso, um deus que não é eterno e auto-existente não é o Deus da Bíblia. A Bíblia ensina que Deus é eternamente auto-existente (Deuteronômio 33:27, Salmo 90:2, 1 Timóteo 1:17), e não foi criado, mas é o próprio Criador (Gênesis 1, Salmo 24:1, Isaías 37:16; Colossenses 1:17-18).

3) O Mormonismo ensina uma visão inflada da humanidade que é completamente inconsistente com o ensino bíblico. O Mormonismo ensina que qualquer ser humano também pode se tornar um deus. No entanto, a Bíblia ensina repetidamente em centenas de versículos que somos todos inerentemente pecadores (Jeremias 17:9, Romanos 3:10-23; 8:7), e que só Deus é Deus (1 Samuel 2:2, Isaías 44:6, 8, 46:9). Isaías 43:10 registra as próprias palavras de Deus: "Antes de mim deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá." Como o Mormonismo pode afirmar que o homem vai se tornar deuses diante de tal evidência bíblica esmagadora é um testemunho da profundidade do desejo do homem de usurpar o lugar de Deus, um desejo nascido no coração de Satanás (Isaías 14:14) e passado por ele a Adão e Eva no Jardim (Gênesis 3:5). O desejo de usurpar o trono de Deus - ou compartilhá-lo - caracteriza todos os que são do seu pai, o diabo, inclusive o Anticristo, o qual vai fazer a mesma declaração no fim dos tempos (2 Tessalonicenses 2:3-4). Ao longo da história, muitas falsas religiões têm apelado ao mesmo desejo da carne pecadora. Mas Deus declara que não há Deus senão Ele, e que não ousemos contradizê-Lo.

4) O Mormonismo ensina que somos capazes de ganhar a nossa salvação – mais uma vez contradizendo as Escrituras. Com certeza viveremos de forma diferente como um subproduto da nossa fé, mas as nossas obras não são suficientes para nos salvar, apenas a graça de Deus através da fé que Ele que nos dá como um dom gratuito (Efésios 2:4-10). Isto é simplesmente porque Deus só aceita a Sua própria justiça perfeita. É por isso que Cristo morreu na cruz - para trocar a Sua perfeição por nossos pecados (2 Coríntios 5:21). Só podemos nos tornar santos diante de Deus através da fé nEle (1 Coríntios 1:2).

Em última análise, a fé em um falso Cristo leva a uma falsa salvação. Qualquer salvação que seja "ganha" também é uma falsa salvação (Romanos 3:20-28). Simplesmente não podemos ser dignos de salvação com base em nossos próprios méritos. Se não pudermos confiar na Palavra de Deus, então não temos nenhuma base para qualquer confiança. Se pudermos confiar na Palavra de Deus, então devemos reconhecer que a Sua Palavra é consistente e confiável. Embora as pessoas possam corromper a Bíblia ao criar a sua própria versão dela, Deus ainda é o Deus do universo e capaz de preservar a Sua Palavra em sua verdadeira forma. Se Ele não pudesse ou não tivesse preservado a sua Palavra, então Ele não seria Deus. Assim, a diferença fundamental entre o Mormonismo e o Cristianismo é que o Cristianismo afirma um Deus que é eternamente auto-existente, que estabeleceu um padrão perfeito e santo que não podemos observar e que, em seguida, devido ao Seu grande amor por nós, pagou o preço pelo nosso pecado ao enviar o Seu Filho para morrer na cruz por nós.

Se você estiver pronto para colocar a sua confiança no sacrifício suficiente de Jesus Cristo, fale as seguintes palavras a Deus: "Deus Pai, sei que sou um pecador e sou digno de Tua ira. Reconheço e creio que Jesus é o único Salvador. Coloco a minha confiança apenas em Jesus para me salvar. Deus Pai, por favor, me perdoe, purifique e transforme. Obrigado por Tua maravilhosa graça e misericórdia!"

Você tomou uma decisão por Cristo por causa do que você leu aqui? Se sim, por favor clique no botão "Aceitei Cristo Hoje" abaixo.


Voltar à página principal em português

Eu sou um mórmon. Por que devo pensar em me tornar um cristão?