www.GotQuestions.org/Portugues




Pergunta: "Como eternidade no inferno é uma punição justa para o pecado?"

Resposta:
Esse é um assunto que incomoda muita gente e que se origina de uma compreensão incompleta de três coisas: a natureza de Deus, a natureza do homem e a natureza do pecado. Como seres pecaminosos, a natureza de Deus é um conceito difícil de entendermos por completo.Temos a tendência de ver Deus como um Ser gentil e misericordioso cujo amor por nós excede e subestima todos os seus outros atributos. Claro que Deus é amoroso, gentil e misericordioso, mas Ele é primeiramente um Deus santo e justo. Tão santo que Ele, na verdade, não pode tolerar pecado. Ele é um Deus cuja ira queima contra os perversos e aqueles que O desobedecem (Isaías 5:25; Oséias 8:5; Zacarias 10:3). Ele não só é um Deus amoroso; Ele é o próprio amor! No entanto, a Bíblia também nos diz que Ele odeia todo tipo de pecado (Provérbios 6:16-19). Mesmo sendo tão misericordioso, ainda há limites para a Sua misericórdia. “Buscai ao SENHOR enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto. Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converta ao SENHOR, que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar” (Isaías 55:6-7).

O homem, em seu estado não regenerado, é corrompido pelo pecado, e esse pecado é sempre uma ofensa direta contra Deus. Quando Davi pecou ao cometer adultério com Bate-Seba e assassinar Urias, ele respondeu com uma oração interessante: “Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que é mal à tua vista…” (Salmos 51:4). Já que Davi tinha pecado contra Bate-Seba e Urias, como é que ele pôde ter dito que tinha pecado contra Deus? Davi entendia que todo pecado é na verdade contra Deus. Deus é um Ser eterno e infinito (Salmos 90:2). Como resultado, todo pecado exige uma punição eterna. Nosso pecado ofendeu o caráter santo, perfeito e infinito de Deus, e apesar de que em nossas mentes nosso pecado é limitado em tempo, a Deus – que vai além de quaisquer restrições de tempo – o pecado que Ele tanto odeia não tem fim. Nosso pecado está diante dEle continuamente e precisa ser punido continuamente para satisfazer Sua justiça santa.

Ninguém entende isso melhor do que alguém que está no inferno. Um exemplo perfeito é a história do homem rico e do mendigo chamado Lázaro. Os dois morreram e o homem rico foi para o inferno enquanto Lázaro foi para o céu (chamado de seio de Abraão em Lucas 16). Claro que o homem rico estava ciente do fato de que seus pecados foram apenas cometidos durante sua vida terrena. Mas é interessante notar que ele nunca diz: “Como é que eu acabei vindo para cá?” Ninguém faz essa pergunta no inferno. Ele não diz: “Será que eu realmente merecia isso?” “Será que isso não é um pouco extremo? Será que isso não é demais?” Ele não disse nada disso. Ele apenas pede que alguém vá aos seus irmãos que ainda estão vivos para adverti-los a não irem para o inferno.

Como o homem rico, todo pecador tem uma realização completa de de sua miséria no inferno, assim como uma consciência bem informada, completamente ciente e sensível – a qual se torna seu próprio termômetro. Essa é a experiência de tortura no inferno – uma alma bem ciente de seu pecado juntamente com uma consciência continuamente a acusar, martelando constantemente sem qualquer alívio. A culpa daquele pecador produz vergonha e sentimentos de ódio e abominação contra si mesmo. O homem rico sabia que punição eterna por uma vida de pecados é justificada e merecida. Por isso ele nunca protestou ou questionou o fato de que devia estar no inferno.

As realidades de condenação eterna, inferno eterno e punição eterna são assustadoras e assim devem ser. No entanto, ficar tão atemorizado é para o bem do pecador. Enquanto isso pode até soar amargo (e é!), há boas novas. Deus nos ama (João 3:16) e quer que sejamos salvos do inferno (2 Pedro 3:9). Mas porque Deus também é justo e correto, Ele não pode deixar de punir o pecado. Alguém tem que pagar o preço. Em Sua grande misericórdia e amor, Deus providenciou o Seu próprio pagamento para o nosso pecado. Ele enviou o Seu Filho Jesus Cristo para pagar pela penalidade dos nossos pecados ao morrer na cruz por nós. A morte de Jesus foi uma morte infinita porque Ele é o infinito Deus-homem, disposto a pagar um débito infinito pelo pecado, para que não tivéssemos que pagar por essa punição no inferno por toda a eternidade (2 Coríntios 5:21). Se confessarmos nossos pecados, pedirmos pelo perdão de Deus, e colocarmos nossa fé em Cristo, seremos salvos, perdoados, purificados e receberemos a garantia de um lar eterno no céu. Deus nos amou tanto que providenciou uma meio de salvação, mas se rejeitarmos o Seu presente de vida eterna, teremos que encarar as consequências eternas dessa decisão.

© Copyright 2002-2014 Got Questions Ministries.