Há alguma evidência para a visão da Bíblia de uma jovem Terra?



Pergunta: "Há alguma evidência para a visão da Bíblia de uma jovem Terra?"

Resposta:
Há uma profusão de evidências para a visão da Bíblia de uma Terra jovem. No entanto, a perspectiva de um planeta velho tem obtido o monopólio nas escolas, nos principais centros acadêmicos e na mídia popular por gerações. Não é de admirar, então, que a maioria dos cientistas defenda a perspectiva da Terra antiga, já que foi o que aprenderam na escola e nas universidades onde se formaram. Também é o que a maioria de seus colegas professa. No entanto, há dissidentes entre a comunidade científica, e esse número está crescendo. Por quê? Porque mais e mais cientistas estão enfrentando um crescente corpo de evidências que desafia o paradigma da Terra antiga.

Isso não quer dizer que todo aquele que examina essas evidências rejeitará a perspectiva da Terra antiga. Alguns que têm refletido sobre essas evidências consideram-nas fenômenos anômalos que ainda hão de ser explicados. Alguns acreditam que elas não resistem ao escrutínio rigoroso. Outros as veem como deturpações deliberadas dos fatos por fanáticos religiosos.

Não há dúvida de que os fanáticos religiosos têm a tendência de distorcer os fatos quando conveniente às suas finalidades. Os fanáticos da Terra antiga têm a mesma tendência quando suas carreiras e reputações estão em risco. É da natureza humana. Também é verdade que algumas das evidências da Terra jovem que têm sido propostas ao longo dos anos não resistiram ao escrutínio rigoroso. Mas muitas outras têm, e permanece o fato de que um número crescente de cientistas profissionalmente treinados - especialistas em seus campo- estão aceitando a perspectiva da Terra jovem como sendo pelo menos cientificamente plausível, se não convincente. Aqui estão algumas das evidências relevantes para consideração:

Erosão Continental e Restos Fósseis. Os continentes estão se desgastando a um ritmo tal que, se não fosse pelo levantamento tectônico, pó meteórico e fluxo vulcânico, eles virariam planos (Mt. Everest e outros) em menos de 25 milhões de anos. Com este ritmo, os fósseis de supostamente milhões de anos de idade encontrados em alta altitude deveriam ter se desgastado há muito tempo, mas ainda assim permanecem. A implicação é que esses fósseis não têm milhões de anos. Se isso fosse verdade, toda a coluna geológica precisaria de uma séria revisão (veja o nosso artigo sobre a coluna geológica).

Pressão Fluida Subterrânea. Quando uma sonda descobre petróleo, ele muitas vezes jorra em grandes fontes. Isso ocorre porque o petróleo muitas vezes se encontra sob uma enorme quantidade de pressão devido ao grande peso da rocha em cima dele. Outros fluidos subterrâneos mantidos sob pressão incluem gás natural e água. O problema é que a rocha acima de muitos depósitos de fluidos subterrâneos sob pressão é relativamente permeável. A pressão deveria escapar em menos de 100.000 anos. No entanto, esses depósitos permanecem altamente pressurizados. Mais uma vez, por causa da suposta antiguidade destes depósitos e sua localização ao longo da coluna geológica, esta observação causa dúvida a algumas das interpretações que levaram à formulação da coluna.

Arrefecimento Global. No século 19, o físico e inventor renomado Lord Kelvin (William Thomson) foi o primeiro a ressaltar que se a Terra tivesse começado em um estado fundido branco-quente, ela teria arrefecido a suas atuais temperaturas bilhões de anos mais cedo do que os 4,6 bilhões de anos aceitos hoje. Desde então, os defensores da Terra antiga têm apontado que o decaimento radioativo dentro dela muito desaceleraria o processo de resfriamento. Os defensores da Terra jovem afirmam que, mesmo tendo em conta os pressupostos liberais sobre a quantidade de calor produzido pelo decaimento radioativo, a Terra ainda resfriaria à sua temperatura atual muito mais cedo do que os defensores da Terra antiga aceitariam.

Recessão Lunar. A lua está lentamente se movendo mais longe da Terra. Isso tem a ver com o fato de que a rotação da Terra está ficando mais lenta devido à fricção das marés e outros fatores. Ela foi observada pela primeira vez por Edmund Halley no final do século XVII (o mesmo Edmund Halley que recebe o crédito de ser o primeiro a prever a órbita de 76 anos do cometa famoso que carrega o seu nome). Dada a taxa da recessão lunar hoje, o fato de que tem acelerado gradualmente ao longo do tempo e vários outros fatores, os físicos têm determinado que o sistema Terra-Lua não poderia ter existido além de 1,2 bilhões de anos (você pode rever as equações matemáticas envolvidas em http://www.creationscience.com/). Isto é 3,4 bilhões de anos a menos que os defensores da Terra antiga estão dispostos a aceitar. Além disso, quanto mais a lua se aproxima da Terra, maior a sua influência em nossas marés. Não poderíamos voltar muito no tempo antes de nos afogarmos duas vezes por dia.

Difusão do Hélio a partir do Zircão Pré-cambriano. O hélio é produzido dentro da terra pelo decaimento radioativo de alguns elementos instáveis (urânio e tório sendo dois desses elementos). Parte desta decadência ocorre dentro de cristais conhecidos como "zircão". O hélio se difunde desses cristais a taxas conhecidas dependendo da profundidade e temperatura. Os cientistas descobriram que, em cristais de zircão onde um bilhão de anos de decaimento do urânio supostamente ocorreram, muito hélio permanece - hélio demais. Parece que o hélio não teve tempo suficiente para se difundir dos cristais. Esta observação tem algumas implicações.

Em primeiro lugar, essa observação pode anular uma importante suposição subjacente à datação radiométrica (a técnica mais comum de datação da Terra antiga). Os cientistas acreditam que um bilhão de anos de decaimento do urânio ocorreu dentro destes zircões por fazerem certas suposições sobre o passado não observável (favor ver o nosso artigo sobre Datação Radiométrica). Uma dessas hipóteses é que o decaimento radioativo manteve-se constante ao longo do passado não observável. Os cientistas têm sido capazes de variar o índice de decaimento no laboratório, mas a maioria não acredita que isso realmente aconteça na natureza. No entanto, se bilhões de anos de decaimento do urânio ocorreram tão rapidamente que o hélio produzido não teve tempo suficiente para escapar dos zircões, isso pode ser uma forte evidência de que as taxas de decaimento radioativo foram muito aceleradas no passado não observável.

Segundo, porque os zircões vieram de rochas pré-cambrianas abaixo da coluna geológica, interpretações da Terra antiga atualmente aceitas da coluna geológica podem necessitar de revisão séria (mais uma vez, consulte o nosso artigo sobre a coluna geológica). Estas e inúmeras outras evidências científicas para a teoria da Terra jovem dão crédito à narrativa bíblica da criação da Terra e do universo como encontrada em Gênesis.


Voltar à página principal em português

Há alguma evidência para a visão da Bíblia de uma jovem Terra?