O que é o humanismo secular?



Pergunta: "O que é o humanismo secular?"

Resposta:
O ideal do humanismo secular é que a humanidade se reconheça como uma parte da natureza eterna e incriada; a sua meta é a auto-correção do homem sem a referência ou ajuda de Deus. O humanismo secular cresceu a partir do Iluminismo do século 18 e do pensamento livre do século 19. Alguns cristãos podem se surpreender ao perceberem que possuem alguns compromissos em comum com os humanistas seculares. Muitos humanistas cristãos e seculares compartilham um compromisso com a razão, a investigação livre, a separação entre a Igreja e Estado e com o ideal de liberdade e da educação moral; no entanto, diferem em muitas áreas. Os humanistas seculares baseiam a sua moralidade e ideias sobre a justiça na inteligência crítica sem a ajuda das Escrituras, das quais os cristãos dependem para obter conhecimento sobre o certo e o errado, o bem e o mal. Além disso, embora os humanistas seculares e cristãos desenvolvam e usem a ciência e a tecnologia, para os cristãos, essas ferramentas devem ser usadas no serviço do homem para a glória de Deus, ao passo que os humanistas seculares veem essas coisas como instrumentos destinados a servir fins humanos, sem referência a Deus. Em suas investigações sobre as origens da vida, os humanistas seculares não admitem que Deus criou o homem do pó da terra depois de ter criado primeiro o planeta e todos os seres vivos a partir do nada. Para os humanistas seculares, a natureza é uma força de auto-perpetuação eterna.

Os humanistas seculares podem se surpreender ao saber que muitos cristãos compartilham a mesma atitude de ceticismo religioso e estão comprometidos ao uso da razão crítica na educação. Seguindo o padrão dos nobres bereanos, os humanistas cristãos leem e ouvem a instrução, mas nós examinamos todas as coisas à luz das Escrituras (Atos 17:11). Simplesmente não aceitamos toda declaração ou percepção mental que entra em nossas mentes, mas testamos todas as ideias e "conhecimento" contra o padrão absoluto da palavra de Deus, a fim de obedecer a Cristo, o nosso Senhor (ver 2 Coríntios 10:5, 1 Timóteo 6:20). Os humanistas cristãos entendem que todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento estão ocultos em Cristo (Colossenses 2:3) e procuram crescer com o pleno conhecimento de todas as coisas boas para o serviço de Cristo (Filipenses 1:9; 4:6; Colossenses 1:9). Ao contrário dos humanistas seculares, que rejeitam a noção de verdade revelada, aderimos à palavra de Deus, que é o padrão que usamos para medir ou testar a qualidade de todas as coisas. Estes breves comentários não elucidam totalmente o humanismo cristão, mas acrescentam vida e relevância à definição clínica dada em léxicos (por exemplo, o Terceiro Novo Dicionário Internacional de Webster, que define o Humanismo Cristão como "uma filosofia que defende a auto-realização do homem no quadro dos princípios cristãos").

Antes de considerarmos uma resposta cristã ao humanismo secular, devemos estudar o próprio termo humanismo. O humanismo geralmente traz à mente a restauração do saber e da cultura antiga, o que ocorreu durante a Renascença. Durante este tempo, os "humanistas" desenvolveram modos rigorosos de estudo baseados nos modelos gregos e romanos, e também tentaram construir um novo estilo latino (nas artes literárias e plásticas) e instituições políticas com base nele. No entanto, muito antes da Renascença, o "humanismo cristão" prosperou nas obras e pensamento de Agostinho, Tomás de Aquino, Erasmus e outros. Alguns até mesmo veem em Platão, um filósofo pagão, um tipo de pensamento que é compatível com a doutrina cristã. Enquanto Platão oferece muito do que é rendável, suas pressuposições e conclusões certamente não eram bíblicas. Platão, como Nietzsche, acreditava no "eterno retorno" (reencarnação); ele (e os gregos em geral) dava um respeito superficial aos seus deuses, mas realmente acreditava que o homem era a medida de todas as coisas. As expressões contemporâneas do humanismo secular rejeitam tanto os elementos nominais cristãos dos seus precursores quanto as verdades bíblicas essenciais, tais como o fato de que os seres humanos têm a imagem de seu Criador, o Deus revelado na Bíblia e na vida e ministério terreno do Senhor Jesus.

Durante a revolução científica, as investigações e descobertas de cientistas amplamente treinados que podem ser considerados humanistas (homens como Copérnico e Galileu) desafiaram o dogma católico romano. Roma rejeitou as descobertas das novas ciências empíricas e emitiu pronunciamentos contraditórios sobre questões que não faziam parte do domínio da fé. O Vaticano defendia que, já que Deus criou os corpos celestes, eles devem refletir a "perfeição" do seu Criador; portanto, rejeitou as descobertas dos astrônomos de que as órbitas dos planetas eram elípticas e não esféricas, como se acreditava anteriormente, e que o sol tinha "pontos" ou áreas mais frias e mais escuras. Estes fatos empiricamente verificáveis e os homens e mulheres que os descobriram não contradizem os ensinamentos bíblicos; a viragem da verdade bíblica em direção ao humanismo naturalista - caracterizada pela rejeição da autoridade e da verdade bíblica e pela inclinação a uma forma declaradamente secular do humanismo – ocorreu durante o Iluminismo, movimento que atravessou os séculos 18 e 19 e criou raízes em toda a Europa, florescendo especialmente na Alemanha.

Numerosos panteístas, ateus, agnósticos, racionalistas e céticos investiram em vários projetos intelectuais sem levar em consideração a verdade revelada. Em seus caminhos separados e distintos, homens como Rousseau e Hobbes buscaram soluções amorais e racionais para o dilema humano. Além disso, obras como Fenomenologia do Espírito, de Hegel, Crítica da Razão Pura, de Kant, e A ciência da ética fundamentada nos princípios do conhecimento, de Fichte, lançaram as bases teóricas para os humanistas seculares posteriores. Consciente ou inconscientemente, os acadêmicos contemporâneos e humanistas seculares constroem sobre essa fundação quando promovem abordagens exclusivamente "racionais" às questões sociais e éticas e às formas antinomianas de autodeterminação em áreas como a autonomia individual e liberdade de escolha nas relações sexuais, reprodução e eutanásia voluntária. No domínio cultural, os humanistas seculares confiam em métodos críticos ao interpretarem a Bíblia e rejeitam a possibilidade da intervenção divina na história humana; na melhor das hipóteses, eles veem a Bíblia como uma "história sagrada".

Com o nome de "alta crítica," o humanismo secular se espalhou pelas escolas de teologia e promoveu a sua abordagem racionalizada ou antropocêntrica aos estudos bíblicos. Começando na Alemanha, no final do século 19, a "alta crítica" buscava "investigar o que estava por trás dos documentos" e removeu a ênfase da mensagem autoritária do texto bíblico. Como Darrell L. Bock observou, a natureza especulativa da alta crítica tratava a Bíblia "como um espelho nebuloso de volta ao passado" e não como o registro histórico inerrante da vida e dos ensinamentos de Cristo e Seus apóstolos ("Introdução", Roy B. Zuck e DL Bock, Uma Teologia Bíblica do Novo Testamento, 1994, p. 16, em inglês). Por exemplo, em sua Teologia do Novo Testamento, Rudolf Bultmann, um importante expoente da alta crítica, baseia-se fortemente em pressupostos críticos. Como Bock ressalta, o autor é "tão cético sobre o retrato do Novo Testamento de Jesus que ele mal discute a teologia de Jesus" (ibid).

Embora a alta crítica tenha debilitado a fé de alguns, outros, como BB Warfield, no Seminário de Princeton, e William Erdman, entre outros, de forma persuasiva defenderam a Bíblia como sendo a Palavra de Deus. Por exemplo, como resposta aos céticos que questionaram a data inicial e autoria joanina do quarto evangelho, Erdman e outros fiéis servos do Senhor têm defendido estes fundamentos de forma crítica e com um alto nível de conhecimento.

Da mesma forma, em filosofia, política e teoria social, acadêmicos, juristas, escritores, políticos e artistas cristãos têm empunhado armas similares ao defenderem a fé e convencerem corações e mentes para o Evangelho. No entanto, em muitas áreas da vida intelectual, a batalha está longe de terminar. Por exemplo, nos círculos literários além do mundo acadêmico, as ideias de Ralph Waldo Emerson continuam a prevalecer. O panteísmo de Emerson resulta em uma negação de Cristo; é sutil e pode enganar os incautos a afastarem-se do Evangelho. Emerson declarou que o "Sobre a Alma" dentro dos indivíduos faz com que cada pessoa seja a fonte da sua própria salvação e da verdade. Ao ler escritores como Emerson e Hegel, os cristãos (especialmente os que estão a batalhar, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos [Judas 3]) devem ter cautela e manter a Palavra de Deus central em seus pensamentos e humildemente permanecer obediente a ela em suas vidas.

Humanistas cristãos e seculares às vezes fazem parte de um diálogo honesto sobre a base ou fonte da ordem no universo. Quer chamem isso de razão ou da força motriz de Aristóteles, alguns racionalistas seculares deduzem corretamente que a Verdade moral é um pré-requisito para a ordem moral. Embora muitos humanistas seculares sejam ateus, eles geralmente têm uma visão elevada da razão; portanto, os apologistas cristãos podem dialogar com eles racionalmente sobre o Evangelho, como Paulo fez em Atos 17:15-34 quando se referindo aos atenienses.

Como deve um cristão responder ao humanismo secular? Para os seguidores do Caminho (Atos 9:2; 19:19, 23), qualquer forma legítima do humanismo deve visualizar a plena realização do potencial humano em submissão da mente e vontade humana à mente e vontade de Deus. O desejo de Deus é que nenhum pereça, mas que todos se arrependam e herdem a vida eterna como Seus filhos (João 3:16; 1:12). O humanismo secular tem como objetivo fazer as duas coisas muito menos e muito mais. Destina-se a curar este mundo e glorificar o homem como o autor da sua própria salvação progressiva. A este respeito, o humanismo "secular" é bastante à vontade com certos substitutos religiosos do verdadeiro evangelho de Deus – por exemplo, os ensinamentos de Yogananda, o fundador da Self-Realization Fellowship. Por outro lado, os humanistas cristãos seguem o Senhor Jesus no entendimento de que o nosso reino não é deste mundo e não pode ser plenamente realizado aqui, apesar das promessas de Deus para Israel (João 18:36; 8:23). Firmamos as nossas mentes no reino eterno de Deus, não nas coisas terrenas, pois morremos e nossas vidas estão escondidas com Cristo em Deus. Quando Cristo - que é a nossa vida - retornar, vamos aparecer com Ele em glória (Colossenses 3:1-4). Esta é verdadeiramente uma visão elevada do nosso destino como seres humanos, pois somos Seus filhos, como até mesmo poetas seculares têm dito (ver o poema de Arato "Phainomena"; cf. Atos 17:28).

Não é necessário ser um cristão para perceber que o humanismo alimentado apenas pela razão não pode suceder. Até mesmo Emmanuel Kant, escrevendo a sua Crítica da Razão Pura, durante o auge do Iluminismo alemão, entendeu isso. Nem devem os seguidores de Cristo ser vítimas da sedução da filosofia e da tradição humana ou serem aprisionados por formas de humanismo baseadas na fé romântica na possibilidade da auto-realização humana (Colossenses 2:8). Hegel baseou o progresso humano no ideal da razão como um espírito "fundamentando" a si mesmo através de estágios progressivos e dialéticos da história; mas se Hegel tivesse vivido para ver as duas guerras mundiais do século 20, é duvidoso que ele teria persistido em detectar o progresso humano neste desastre da história. Os cristãos entendem que qualquer forma de humanismo, quando longe da redenção de autoria divina, está condenada ao fracasso e à falsa fé. Baseamos uma visão elevada do homem em uma visão elevada de Deus, já que a humanidade é feita à imagem de Deus, e nós concordamos com a Escritura quanto à situação desesperadora do homem e ao plano de salvação de Deus.

Como Alexander Solzhenitsyn observou, o humanismo não oferece nenhuma solução para a condição desesperada da humanidade. Ele coloca desta forma: "Se o humanismo estivesse certo ao declarar que o homem nasce para ser feliz, ele não nasceria para morrer. Já que o seu corpo está condenado a morrer, a sua tarefa na terra, evidentemente, deve ser de natureza mais espiritual.. ." Com certeza. A tarefa da humanidade é buscar e encontrar Deus (Atos 17:26-27, cf. 15:17), o nosso verdadeiro redentor que nos oferece uma herança melhor do que a terrena (Hebreus 6:9, 7:17). Aqueles que abrirem as portas para Cristo (Apocalipse 3:20) herdarão a melhor pátria, a qual Deus tem preparado para aqueles que o amam e são chamados segundo o Seu propósito (Efésios 1:11, Romanos 8:28; Hebreus 11:16; cf . Mateus 25:34; João 14:2). Quão mais excelente é esta que todas as metas orgulhosas e nobres contidas nos manifestos humanistas seculares?


Voltar à página principal em português

O que é o humanismo secular?