Quais são os pontos fortes e fracos da visão pré-tribulacional do Arrebatamento (Pré-tribulacionismo)?



Pergunta: "Quais são os pontos fortes e fracos da visão pré-tribulacional do Arrebatamento (Pré-tribulacionismo)?"

Resposta:
Na escatologia, é importante lembrar-se de que quase todos os cristãos concordam com estas três coisas: 1) Está chegando um momento de grande Tribulação tal como o mundo nunca viu, 2) depois da Tribulação, Cristo voltará para estabelecer o Seu reino na terra, e 3) haverá um Arrebatamento -- "repentina transição" da mortalidade para a imortalidade -- para os crentes (João 14:1-3, 1 Coríntios 15:51-52 e 1 Tessalonicenses 4:16-17). A única questão é esta: quando o Arrebatamento ocorrerá em relação à Tribulação e à Segunda Vinda?

Com o passar dos anos, três teorias principais sobre o momento do Arrebatamento têm surgido: Pré-tribulacionismo (a crença de que ocorrerá antes da Tribulação), Mesotribulacionismo (a crença de que ocorrerá na metade da Tribulação) e Pós-tribulacionismo (a crença de que ocorrerá no final da Tribulação). Este artigo trata especificamente do ponto de vista pré-tribulacional.

O Pré-tribulacionismo ensina que o Arrebatamento ocorre antes da Tribulação começar. Naquela época, a igreja irá encontrar Cristo nos ares e em algum momento depois disso o Anticristo é revelado e a Tribulação começa. Em outras palavras, o Arrebatamento e a Segunda Vinda de Cristo (para estabelecer o Seu reino) são separados por pelo menos sete anos. Segundo essa visão, a igreja não passa pela Tribulação.

Biblicamente, o ponto de vista pré-tribulacional tem muito a seu favor. Por exemplo, a igreja não é designada à ira (1 Tessalonicenses 1:9-10, 5:9), e os crentes não passarão pelo Dia do Senhor (1 Tessalonicenses 5:1-9). A igreja de Filadélfia recebeu a promessa de ser guardada da "hora da provação que há de vir sobre o mundo inteiro" (Apocalipse 3:10). Note que a promessa não é da preservação através do julgamento, mas de ser guardada da hora, isto é, do período de tempo do julgamento.

O Pré-tribulacionismo também encontra apoio no que não é encontrado nas Escrituras. A palavra "igreja" aparece dezenove vezes nos três primeiros capítulos de Revelação, mas, significativamente, a palavra não é usada novamente até o capítulo 22. Em outras palavras, em toda a longa descrição da Tribulação de Apocalipse, a palavra igreja é visivelmente ausente. Na verdade, a Bíblia nunca usa a palavra "igreja" em uma passagem relativa à Tribulação.

O Pré-tribulacionismo é a única teoria que claramente mantém a distinção entre Israel e a igreja e os planos distintos de Deus para cada um. Os setenta "setes" de Daniel 9:24 são decretados sobre o povo de Daniel (os judeus) e a santa cidade de Daniel (Jerusalém). Esta profecia torna claro que a septuagésima semana (a Tribulação) é um tempo de purificação e restauração para Israel e para Jerusalém, não para a igreja.

Além disso, o Pré-tribulacionismo tem suporte histórico. De acordo com João 21:22-23, parece que a igreja primitiva enxergava o retorno de Cristo como iminente, ou seja, que Ele poderia voltar a qualquer momento. Caso contrário, o boato de que Jesus voltaria durante a vida de João não teria persistido. A iminência, o que é incompatível com as outras duas teorias do Arrebatamento, é um princípio fundamental do Pré-tribulacionismo.

O ponto de vista pré-tribulacional parece ser o que mais combina com o caráter de Deus e o Seu desejo de guardar os justos do julgamento do mundo. Os exemplos bíblicos da salvação de Deus incluem Noé, que foi protegido do dilúvio mundial; Ló, que foi protegido de Sodoma; e Raabe, que foi protegida de Jericó (2 Pedro 2:6-9).

Um ponto fraco que se percebe do Pré-tribulacionismo é o seu desenvolvimento relativamente recente como uma doutrina da Igreja, não tendo sido formulado detalhadamente até o início do século 19. Um outro ponto fraco é que o Pré-tribulacionismo divide o retorno de Jesus Cristo em duas "fases" - o Arrebatamento e a Segunda Vinda - ao passo que a Bíblia não delineia claramente tais fases.

Uma outra dificuldade enfrentada pela teoria pré-tribulacional é o fato de que certamente haverá santos na Tribulação (Apocalipse 13:7, 20:9). Os pré-tribulacionistas respondem a isso distinguindo os santos do Antigo Testamento e da Tribulação dos santos da igreja do Novo Testamento. Os crentes vivos durante o Arrebatamento serão removidos antes da Tribulação, mas haverá aqueles que virão a Cristo durante a Tribulação.

E uma fraqueza final da visão pré-tribulacional é compartilhada pelas outras duas teorias: a Bíblia não dá um cronograma explícito em relação a eventos futuros. As Escrituras não ensinam claramente um ponto de vista ao outro, e é por isso que temos diversidade de opiniões acerca dos tempos finais e algumas variedades de como as profecias relacionadas devem ser harmonizadas.


Voltar à página principal em português

Quais são os pontos fortes e fracos da visão pré-tribulacional do Arrebatamento (Pré-tribulacionismo)?